quinta-feira, 15 de junho de 2017

SE NÃO FOI ISSO QUE JOÃO QUIS DIZER, PACIÊNCIA...


Henrique Faria

Vamos esclarecendo. Eu não sei teologia. Ou, pelo menos, a teologia sistemática e acadêmica. Como, também, não sei filosofia, a filosofia ensinada desde os primeiros sábios da Grécia até os dos nossos dias. E, talvez, por essa minha carência da cultura acadêmica, eu tento fazer a minha própria teologia e a minha própria filosofia. Ou, seja, eu me vejo obrigado a pensar com a minha própria cabeça.
Esclarecido, meu caro leitor, convido você a pensar comigo, não necessariamente a concordar comigo, podendo até mesmo me taxar de ignorante presunçoso, “sem noção” como se diz na linguagem popular. Vamos, então, direto ao assunto.
Acabo de chegar de uma missa, de Corpus Christi, onde pude ouvir pela enésima vez as palavras do evangelista João, em que seu Mestre afirma ser o “pão vivo descido do céu”, “quem come a minha carne e bebe o meu sangue terá a vida eterna”. Bem. É melhor você tomar a leitura do Novo Testamento em João 6, 51-58 para sentir você mesmo o impacto que causam essas palavras.
A minha primeira tendência foi a mesma dos judeus que o ouviam, questionando “como é que ele pode dar a sua carne a comer?”. Mas pensei comigo: deve haver uma coisa mais profunda nessas palavras, que eu, reles ouvinte, não tenha inteligência para alcançar. Isso mesmo: inteligência, já que não tenho cultura. Eu digo sempre que eu acredito no que vejo (diga-se de passagem, Deus eu vejo) e no que a minha razão consegue processar. Comecei a pensar, na missa mesmo, ali na igreja dos capuchinhos, sobre o sentido daquelas palavras. E me veio uma inspiração, que me pareceu lógica no contexto desse mistério a que a Igreja chama de encarnação. Note que estamos falando em “carne”, “sangue”.
Foi então que me vieram à mente as primeiras palavras do evangelho de João. O texto de João é muito bonito, poético, profundo. Mas, os menos avisados podem avaliar assim: “esse cara ta viajando, delirando...” (o João, não eu) Eu não penso assim, pois, afinal, passaram-se mais de dois mil anos e o seu texto continua vivo, instigante, sedutor, envolvendo gente anos-luz à minha frente na compreensão da teologia, da filosofia, da história.
No comecinho do seu evangelho, João fala em Verbo (confira as 14 primeiros versículos do evangelho de João). E fala que o Verbo se fez carne e habitou entre nós. A coisa pode parecer mais complicada do que é. Veja bem: “Verbo” quer dizer “Palavra”. Em grego, língua em que foi escrito o evangelho de João, “logos”. E “logos” tem um sentido mais amplo do que a mera junção de vogais e consoantes que formam uma palavra. “Logos” é um “discurso”, uma “mensagem”.
Pois bem. Primeiramente nós temos que acreditar em Deus, um ente que deu início à matéria. Se você não acredita em Deus, nem continue lendo essas minhas lucubrações.
Deus tinha uma mensagem para transmitir às suas criaturas. Essa mensagem era o “Verbo”, o “Logos” a que João se refere. Por isso que ele diz que o Verbo, no princípio, estava junto de Deus e que o Verbo era Deus (Jo 1, 1 e 2). E era necessário que a mensagem de Deus se materializasse para que a humanidade entendesse. Essa materialização se fez em forma de carne, de gente. “o Verbo se fez carne”. E apareceu, na Galileia, um homem (carne e osso) que trazia uma mensagem até então nunca ouvida. Demorou para que o Criador se dispusesse a se fazer entender assim de forma tão explícita, já que Ele vinha tentando se fazer entender havia séculos por aquele povo cabeça dura sem resultados que pudessem transformar a história e o coração dos homens.
Não se preocupe, meu caro leitor, se aquele galileu foi “gerado, não criado”, obra de um lance de mágica (a que a Igreja chama de mistério) que o colocou no ventre de uma menina para nascer, crescer, e viver tão pouco tempo. Esse Galileu, de nome Jesus, seja como for, é uma figura histórica, que palmilhou aquelas estradas pedregosas e secas do que é hoje o Estado de Israel, levando a sua missão tão a sério que fazia das suas palavras, do seu discurso, da mensagem de Deus uma verdadeira comida para aqueles que o ouviam. É como se dissesse “não basta vocês ouvirem estas palavras, esta mensagem; é preciso comê-las”; “vocês precisam ‘comer’ o Verbo!”.
Jesus era a mensagem encarnada de Deus: o Verbo. Daí entender-se porque ele dizia “eu sou o pão vivo descido do céu; quem comer deste pão viverá eternamente”, “quem come da minha carne e bebe do meu sangue tem a vida eterna”.
E eu voltei da missa de Corpus Christi satisfeito com este meu entendimento. Se não foi isso que João quis dizer, paciência...

2 comentários:

  1. Instigante nos fazer refletir sobre essa passagem. As vezes penso do porque de algumas passagens serem interpretadas de forma simbólica (principalmente as que tratam de renunciar a riqueza) e essa passagem sobre o corpo de cristo ser aplicada de forma tão literal.
    Daniel

    ResponderExcluir